sábado, 12 de novembro de 2016

Fotos do Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos











Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos

Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos

Neste seminário, que contou com a participação de diretores, produtores culturais e pesquisadores, foi abordada a cultura audiovisual e as produções imagéticas de comunidades e coletivos jovens, sugerindo um novo olhar sobre corpo, política e subjetividade.

Coordenação Geral: Karla Bessa- Núcleo de Estudos de Gênero/PAGU
Estagiários: Thiago Paz e Matheus Aureliano

Primeiro dia
14/09/2016
Horário: 14:00h
Local: Sala Multiuso/IFCH

Mesa: Uma Política queer é possível? 

Foi abordada a questão das lutas políticas no Brasil,  procurando estabelecer os parâmetros nos quais de um lado os movimentos sociais, os coletivos estão mobilizados e por outro, como as ciências humanas tem refletido sobre as possibilidades de novas subjetividades.  Quais corporalidades estão em cena, como se debate o corpo, o desejo, o sexo, fora dos eixos normativos binários?

Convidados:

Emília Santos, artista plástica, formada pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, 2007, fundadora do grupo CUME (JUndiaí). É arte educadora e ilustradora nos canais: Revista Geni, Chic POP Coletivo Historiográfico, CUME, Pangeia. Desenvolve com o Ateliêr Cenográfico a identidade visual da Biblioteca de Direitos Humanos Maria Firmina dos Reis (Cidade Tiradentes, SP, 2015)

Angela Domini - Professora adjunta na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) - Departamento de Filosofia. Psicóloga, mestre e doutora em psicologia clínica/estudos da subjetividade, formação complementar em direção cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro e pós-doutora em Medicina Social pela UERJ, integra o conselho deliberativo do ELAS - Fundo de Investimento Social, único fundo independente dedicado as mulheres no Brasil.

Mediadora: Karla Bessa (Pagu/Unicamp)

Projeção do Filme:  Corpos que escapam
Direção de Angela Donini, Brasil. 2016
Sinopse: A cidade do Rio de Janeiro é revisitada a partir das memorias de João e Gabriela. Que cartografias enredam a afirmação da liberdade sexual e de gênero? Que deslocamentos imprimem em seus cotidianos? Que rupturas e que conquistas estão nesta busca? Como se atualizam as memorias de infância? Como se enredam as relações familiares? E as relações de trabalho e de amizade?



Segundo dia
15/09/2016
            Horário: 14:00h

             Local: Sala Multiuso/IFCH
 

Mesa: Racialização dos corpos, Juventude, mídia e audiovisual

Nessa mesa foi debatida a problemática da racialização e a contrapartida  do cinema negro e feminista no Brasil e no mundo. Como novas produções audivisuais e coletivos negros na internet tem mudado a história do audiovisual negro no Brasil? Quais são as relações entre as demandas políticas das questões relativas à juventude e as novas mídias?

Convidados:

Vanda Aparecida da Silva – Antropóloga, com pós-doutorado pela Professora da Universidade Federal de São Carlos- Campus de Sorocaba,  Foi pesquisadora pós-doc da FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia - Portugal),  atuando no ICS - UL (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa) e no CRIA - ISCTE - IUL (Centro em Rede de Investigação em Antropologia, do Instituto Universitário de Lisboa).

Janaína Oliveira -Pesquisadora, é doutora em História pela PUC-Rio e professora desta disciplina no Instituto Federal do Rio de Janeiro – Campus São Gonçalo, onde coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena (NEABI). Realiza pesquisas centradas na reflexão sobre Cinema Negro, no Brasil e na diáspora, e  sobre as cinematografias africanas, sempre buscando conexões que possam incidir também na área da educação das relações étnico-raciais. Coordena o Fórum Itinerante de Cinema Negro (FICINE) – RJ

Mediador: Gilberto Alexandre Sobrinho (Instituto de Arte/Unicamp)

Filme: Diário de Exú  
direção de  Gilberto Alexandre Sobrinho- Brasil, 2015
Sinopse: Este documentário atualiza o mito de Exu, tomando como ponto de partida o registro do processo de criação da peça de teatro Exus. Seu protagonista, o ator Mestre Jahça, é o fio condutor que conecta os diferentes lugares onde habita essa divindade.

Filme: Cores e Botas
Direção de Julyana Vicente, Brasil, 2010
Sinopse: Joana tem um sonho comum a muitas meninas dos anos 80: ser Paquita. Sua família é bem sucedida e a apoia em seu sonho. Porém, Joana é negra, e nunca se viu uma paquita negra no programa da Xuxa.



quinta-feira, 2 de junho de 2016

 Apresentando a segunda sessão do Seminário AIDS- Cenas e Imaginários:
Dia 07 de junho, às 14h na sala multiuso do IFCH
Exibição do filme brasileiro de 2011, dirigido por Vagner de Almeida
"MÁSCARAS"
Sinopse do Filme: Durante uma oficina para elaboração de Máscaras na sede da ABIA, jovens homossexuais vivendo com HIV/AIDS compartilham entre si suas vivências e experiências.
Mais do que encobrir, a preparação das máscaras instiga um jogo de revelações, no qual questões como sexo seguro, família, estigma, uso de medicamentos, relacionamentos afetivos e conjugais, são discutidos sem pudor por quem vive na própria pele os desafios impostos pela homossexualidade, pelo HIV/AIDS e o sistema de saúde. Através da voz dos protagonistas, o filme documentário rompe silêncios sobre uma série de tabus relacionados à vida com HIV/AIDS e tem como objetivo estimular a reflexão e o debate franco e solidário com e entre soropositivos e soronegativo.
APÓS A SESSÃO:
Mesa redonda com Vagner de Almeida (cineasta) e Gilberto Sobrinho (Instituto de Artes/UNICAMP).
Coordenação: Karla Bessa

sábado, 28 de maio de 2016

Seminário AIDS- Cenas e Imaginários:"E AGORA? LEMBRA-ME"

Apresentando a nossa primeira da sessão do Seminário AIDS- Cenas e Imaginários:


Dia 31 de maio, às 14h na sala multiuso do IFCH 

Exibição do filme português de 2013 dirigido por Joaquim Pinto 


Sipnose "Trata-se de um filme autobiográfico no qual o diretor, Joaquim Pinto, que convive com o HIV há quase 20 anos, conta sua história. Ele relata os usos de medicamentos e a busca por tratamentos alternativos, produzindo uma franca reflexão sobre sua vulnerabilidade diante da doença e sobre sua própria vida, relacionando tempo e memória, referindo-se ao âmbito global desta epidemia, a expectativas e frustrações, os afetos e amores. "
APÓS A SESSÃO:
Mesa Redonda com os convidados Susana Durão (IFCH), Nelson Filice de Barros (FCM) e Karla Bessa (Coordenadora do CinePagu).

CinePAGU apresenta: Seminário AIDS - Cenas e imaginários

Ciclo de exibição de filmes de ficção e documentários que abordam o tema da AIDS no Brasil e no mundo. Após cada exibição, faremos um debate com profissionais acadêmicos e da área cinematográfica para aprofundarmos as questões relativas ao uso de imagens e filmes como meio de propagação de valores e estereótipos em relação à sexualidade e estilo de vida de pessoas portadoras do vírus HIV. 

Abordaremos questões
 relativas ao imaginário que perpassa diferentes discursos/práticas em relação à segregação e discriminação de pessoas que convivem com a doença. Para tanto, remeteremos ao histórico da construção do estigma da AIDS como câncer dos gays, a perseguição à “promiscuidade” sexual das pessoas que possuem parceiros sexuais de mesmo sexo, relações sexuais mediadas pelo mercado do sexo, bem como histórias de vida de pessoas que sofreram perseguições morais e políticas, que não tiveram acesso a tratamentos e medicamentos, etc. Indagaremos a questão da culpabilidade/responsabilidade eminente em imaginários que cercam a história de doenças que são transmissíveis (neste caso, também sexualmente) e os vários discursos (médicos, religiosos, sociológicos, literários) que atrelam comportamento sexual, corpo, violência e risco como fatores desencadeantes do aumento da doença no país e no mundo.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

CinePAGU Apresenta "Be Like Others"


Dia 19/05, quinta-feira, às 14h.
Local: Sala Multiuso- IFCH

Ser Igual Aos Outros (Be Like Others)
Direção: Tanaz Eshaghian,
Irã, 2008

Sinopse: O documentário explora o tumulto emocional e físico dos transexuais no Irã. Homossexual é ilegal no Irã, no entanto, o governo iraniano é inteiramente solidário sobre as operações de mudança de sexo, porque quando um homem é alterado para uma mulher, não será mais homossexual.

Debate com CAMILA GODOI! Engenheira Química formada pela Unicamp, leciona há 21 anos no Ensino Superior e no Ensino Médio. Atualmente, é Professora do curso de Engenharia Civil da Faculdade Metrocamp (Campinas).
Como mulher transgênera, é uma das fundadoras do Coletivo TransTornar (Campinas) e também é militante da Frente Feminista Quem Calou Petronilha (Jundiaí), do Coletivo CUME (Jundiaí) e da ONG Aliados (Jundiaí).

Coordenação: Karla Bessa

Realização: CinePagu- Núcleo de Estudos de Gênero Pagu/Unicamp.
Apoio: Secretaria de Eventos IFCH
Estagiários: Thiago Paz e Matheus Aureliano

 




quinta-feira, 12 de maio de 2016

CinePAGU Apresenta "As Hipermulheres"


Dia 17/05, terça-feira, às 14h. 
Local: Sala da Congregação- IFCH



"Temendo a morte da esposa idosa, o marido pede que seu sobrinho realize o IAMURIKUMALU, o maior ritual feminino do alto xingu (MT), para que ela possa cantar uma última vez. As mulheres do grupo começam os ensaios enquanto a única cantora que de fato sabe todas as músicas se encontra gravemente doente". 

O filme as Hipermulheres permite um encontro cultural com práticas culturais e rituais que remetem a questões de gênero, erotismo e corporalidade muito distantes daquelas predominantes na cultura popular brasileira, apesar de, a seu modo, compor parte deste mesmo repertório. O filme possui uma estética narrativa própria, que evita o olhar exotizante sobre povos indígenas e suas culturas.

Debate com Janaina Welle- Formada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, mestrado em Antropologia Visual pela Universidade de Barcelona e mestrado em Multimeios na Universidade Estadual de Campinas. 
Coordenação: Karla Bessa (Núcleo de estudos de gêneros PAGU-UNICAMP)

Estagiários: Matheus Aureliano e Thiago Paz